Google+ Aecio Neves Porque NÃO votar

sábado, 10 de janeiro de 2015

Veja como como Aécio se enriquecia com a Arco Íris e silenciava a imprensa mineira

Comentar a postagem
A oito dias de o grupo do senador Aécio Neves (PSDB) deixar o comando de Minas Gerais, o governo estadual divulgou nesta terça-feira, 23, os dados relacionados aos gastos com publicidade feitos pela administração desde 2003. Os dados mostram que, entre 2003 e 2011, o Estado repassou mais de R$ 1,1 milhão às três emissoras de rádio e ao jornal da família do tucano.

A iniciativa teve como objetivo desmontar acusações do PT e investigações em curso do Ministério Público. A partir de janeiro, o petista Fernando Pimentel assume o Estado no lugar de Alberto Pinto Coelho (PP), ex-vice-governador de Antonio Anastasia (PSDB), futuro colega de Aécio no Senado.

De 2003 a 2011, a Rádio Arco Íris, que detém uma franquia da Rádio Jovem Pan FM em Belo Horizonte, teria recebido R$ 1,06 milhão. A Rádio São João del Rei S/A e Vertentes FM, ambas em João del Rei, receberam juntas R$ 51, 8 mil. E o jornal Gazeta de São João del Rei, R$ 45,5 mil entre 2003 e 2011.

O caso passou a ser investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE) em 2011, após Aécio ter sido parado em uma blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro. Ele dirigia um veículo registrado em nome da Arco Íris.

Aécio Neves governador  beneficiou os negócios da família do tucano.

Por nota, o diretório mineiro do PT destacou a iniciativa do governo mineiro em favor de mais transparência na gestão dos recursos públicos. O partido, no entanto, não deixou de provocar os tucanos.

“Mais uma vez, o PSDB despreza a inteligência dos mineiros e das mineiras. Somente agora, no apagar das luzes de um governo que esteve à frente do Executivo estadual durante doze anos, a Subsecretaria de Comunicação de MG disponibiliza os gastos com publicidade no Estado”, diz a nota do PT.

Os mineiros pagaram a conta da propaganda de Aécio


Nos 12 anos em que foi comandado pelos tucanos, o Estado gastou mais de R$ 547 milhões com publicidade, em valores corrigidos pela inflação
 As empresas de comunicação controladas pela família de Aécio que veicularam publicidade oficial durante seu governo receberam menos do que seus concorrentes.
Aécio e sua família controlam a rádio Arco Íris, retransmissora da Jovem Pan em Belo Horizonte, e as rádios São João e Colonial, de São João del Rei, além do semanário "Gazeta de São João del Rei".
Da posse de Aécio, em 2003, até este mês, quando termina o governo tucano em Minas, os gastos do Estado com publicidade oficial aumentaram mais de 900%, já descontada a inflação do período.
Emissoras de TV ficaram com a maior fatia (R$ 290 milhões), com a Rede Globo em primeiro lugar. Entre os jornais (R$ 138 milhões), o maior beneficiado foi o "Estado de Minas", que apoiou editorial mente o governo de Aécio e sua candidatura presidencial.
O jornal é o maior do Estado e teve um aumento expressivo (1.428%) no valor recebido nos últimos 12 anos. Para o governo, no entanto, houve acréscimo na publicidade para "todos os veículos".
Só foram divulgados gastos efetuados pela administração direta, sem incluir despesas feitas por empresas estatais.
Em outubro, durante a campanha eleitoral, reportagem da Folha mostrou que o governo de Minas se recusava a divulgar informações sobre despesas que realizou para veicular publicidade em três rádios e um jornal controlados pela família de Aécio, que governou o Estado de 2003 a 2010 e disputou a eleição presidencial deste ano.
Na época, a Folha não conseguiu obter essas informações. O jornal apresentou requerimentos baseados na Lei de Acesso à Informação. O governo alegava que o levantamento concluído agora estava incompleto.
Os gastos foram divulgados em documentos no formato PDF, que podem dificultar sua análise. Os valores nas tabelas só podem ser processados após a conversão dos documentos em planilhas de cálculo, com o uso de ferramentas especiais. Na Folha

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Surge nova denúncia contra Aécio: MP entra com ação por desvio de 1 bi na Saúde

Comentar a postagem
bravinho Surge nova denúncia contra Aécio: MP entra com ação por desvio de 1 bi na Saúde

O ministério público de Minas Gerais acaba de entrar com mais uma ação publica contra o senador Aécio Neves do PSDB-Minas sobre o desvio de verbas para a Saúde; desta vez o montante questionado chega a 1 bilhão em 2009. O valor pode ser somado aos 4,3 bilhões questionados em processos anteriores

Por  Alessandra Fonseca, com informações da Agência

Foi apurado pelo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG) que, também em 2009, o percentual constitucional de 12% do Orçamento para a Saúde, não foi obedecido. A irregularidade é observada desde que a Emenda Constitucional 29, que garante a obrigatoriedade do repasse, entrou em vigor em 2004.
Dos mais de R$ 3,3 bilhões destinados para a Saúde, em 2009, R$1,017 bilhão foi repassado para a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). Apenas R$2,35 bilhões foram aplicados, de fato, na saúde pública do estado.
Segundo o processo, desde 2004, o TCE recomenda que o governo estadual diminua o repasse a saneamento básico, pois não configura investimento direto na Saúde. Uma vez que o setor não cumpre o princípio de gratuidade e nem universalidade, a empresa deve investir os recursos próprios, obtidos com o pagamento das tarifas de água e esgoto.

Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/01/surge-nova-denuncia-contra-aecio-mp.html#ixzz3O0jy8ILv

sábado, 3 de janeiro de 2015

PIG Globo recebeu 80 milhões de publicidade de Minas nos governos de Aécio e Anastasia

Comentar a postagem
Um extrato das informações que o governo de Minas colocou em seu site a respeito dos gastos com publicidade nos últimos doze anos:
O governo de Minas divulgou pela internet os gastos com publicidade nestes doze anos em que esteve sob o PSDB.
No total, foram gastos 547 milhões de reais em valores corrigidos pela inflação.
Em valores nominais, as despesas anuais cresceram 10 vezes: de 7 milhões de reais, em 2003, chegaram a 70 milhões em 2012.
Os números divulgados não incluem estatais mineiras. Limitam-se à administração direta.
As rádios da família Neves levaram, no período, 1,1 milhão de reais. (Não se sabe quanto de anúncios de estatais foi posto nelas.)
O jornal O Estado de Minas, que apoiou sempre Aécio e seu sucessor, ganhou, no período, 16,5 milhões. O aumento do investimento anual no jornal foi de 1428%.
Para Globo ficou a maior fatia do dinheiro: 80 milhões de reais no período. De novo: não estão incluídas aí as despesas de propaganda das estatais mineiras.
Do Diario do Centro do Mundo

AÉCIO NEVES PODE ENFRENTAR ENXURRADA DE CPIS

Comentar a postagem
AÉCIO NEVES PODE ENFRENTAR ENXURRADA DE CPIS
O ano de 2015 promete ser o início de uma forte dor de cabeça para o senador Aécio Neves; deputado estadual Rogério Correia (PT) lista CPIs sobre supostos desvios de recursos da Educação e da Saúde; superfaturamento em obras como as do Mineirão, bem como os lucros do consórcio Minas Arena; custos acima dos previstos na construção da Cidade Administrativa (sede do governo mineiro), envolvendo a Codemig, assim como possível extração de minério sem licitação; petista fala acerca de verbas publicitárias destinadas à Rádio Arco-Ìris, da qual Aécio é proprietário; aeroporto de Claudio, Cemig e o Instituto de Previdência dos Servidores (IPSEMG) também podem ser alvos dos antigos oposicionistas, que miram, ainda, o ex-governador Antonio Anastasia, eleito senador neste ano; início dos trabalhos e ordem das instalações das CPIs na Assembleia serão definidos; na era Pimentel, a blindagem acabou

Leonardo Lucena, especial para o Minas 247 – O ano de 2015 promete ser o início de uma forte dor de cabeça para o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Várias Comissões Parlamentares de Inquéritos (CPIs) estão na mira da antiga oposição da Assembleia Legislativa para investigar tanto a gestão do parlamentar mineiro, que governou Minas de 2003 a 2010, como a do seu correligionário e sucessor, Antonio Anastasia, eleito senador neste ano.
"Durante esses 12 anos de governo (do PSDB) em Minas, a oposição foi impedida de instalar CPIs. Havia boicotes", afirma ao Minas 247 o deputado estadual Rogério Correia (PT), reeleito para o seu quarto mandato na Assembleia de Minas Gerais, com 72.413 votos.
A CPI de Repasses Educacionais é uma das que estão na lista dos antigos oposicionistas, que agora compõem a base aliada do governador eleito de Minas, o ex-ministro Fernando Pimentel (PT). Com base em cálculos do Tribunal de Contas do Estado (TCE), o deputado afirma que há uma defasagem de R$ 8 bilhões em recursos que deveriam de sido aplicados na área nos 12 anos de governo tucano em Minas.
"Jamais aplicaram o mínimo de 25% como determina a legislação", diz Correia. Segundo o parlamentar, se for instalada, a CPI da Saúde também investigará uma defasagem em torno de R$ 8 bilhões no setor.
Outra CPI envolve um parente de Aécio, conforme o deputado, a da Construção da Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, sede do governo mineiro, entregue em 2010. O deputado informa que a obra teve um custo de R$ 600 milhões, porém a despesa final alcançou R$ 1,2 bilhão, o dobro do valor inicial.
De acordo com o petista, a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) foi a responsável pela obra, que era presidida por um parente de Aécio chamado Oswaldo Borges da Costa. "Ele preside a Codemig desde que Aécio entrou (no governo)", complementa. Ainda referindo-se à Codemig, o parlamentar afirma que será investigada a extração de um minério conhecido como Nóbio feita sem licitação.
CPIs do Mineirão e Cemig
Nem mesmo o Mineirão, um dos estádios-sede da Copa do Mundo ficou de fora da lista de CPIs por parte dos antigos oposicionistas. Correia diz que, segundo o contrato entre o governo mineiro e o consórcio Minas Arena, responsável pelo gerenciamento do estádio, o consórcio deve atingir um lucro de R$ 7 milhões com a manutenção da arena.
"No ano passado (2014), o governo desembolsou cerca de R$ 50 milhões só para o lucro do consórcio. Tira dinheiro público para sustentar o lucro da empresa", denuncia o parlamentar. O deputado aponta, ainda, superfaturamento nas obras.
Em relação à Companhia Energética de Minas Gerias (Cemig), Correia afrima que atualmente a empresa é controlada pela Andrade Gutierrez (a mesma envolvida na Operação Lava Jato, da Polícia Federal). "A Andrade, embora tenha participação minoritária, tem um mando, no mínimo, estranho", complementa.
Rádio Arco-Íris e IPSEMG
Outra CPI citada pelo deputado, que pode ser instalada, é a das Verbas Publicitárias. Parlamentares da Assembleia de Minas pretendem investigar a doação de verba publicitária para a Rádio Arco-Íris, da qual Aécio é proprietário, bem como sua irmã, Andrea Neves. Vale ressaltar que, em 2012, o Ministério Público (MP-MG) instaurou um inquérito civil com o objetivo de apurar os repasses feitos ao veículo entre 2003 e 2010.
A ligação de Aécio com a emissora veio à tona em abril de 2011, quando o senador mineiro se recusou a fazer o testo do bafômetro depois de ser parado em uma blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro. O parlamentar, que foi multado em R$ 1.149,24, teve a carteira de habilitação (vencida) apreendida. O senador tucano dirigia uma Land Rover de placa HMA-1003, comprado em novembro de 2010 em nome da emissora, detentora de uma franquia da Rádio Jovem Pan FM em Belo Horizonte.
Em nota, a assessoria de Aécio negou que a rádio tenha recebido patrocínios durante a gestão do tucano. De acordo com a assessoria do senador, foram utilizados critérios técnicos na escolha das rádios que receberiam verbas publicitárias e negou interferência de Andrea no direcionamento de recursos - ela foi coordenadora do Núcleo Gestor de Comunicação Social do Executivo, órgão responsável por controlar gastos do governo com comunicação.
O deputado do PT menciona, também, o Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (IPSEMG) como um dos possíveis alvos de investigações. Sem maiores detalhes, Correia diz que recursos foram retirados do instituto para o caixa único do governo. O valor seria cerca de R$ 250 milhões.
Em novembro passado, o governo mineiro informou, em nota, que o decreto referente à medida “apenas” regulamenta a transferência dos recursos de uma conta bancária para outra, e comprometerá o orçamento destinado à assistência médica dos servidores por meio do Ipsemg. “O dinheiro do Ipsemg é o único, dentre os órgãos públicos, que não está no caixa único do Estado. O decreto apenas regulamenta a transferência do dinheiro, que será feita aos poucos".
Conforme a nota, o caixa único pode aumentar os rendimentos dos recursos do instituto de previdência dos servidores. “O caixa único do Estado tem mais dinheiro do que o fundo usado para a assistência médica. Dessa forma, os rendimentos são maiores também, o que pode garantir mais dinheiro para o Ipsemg e mais benefícios para o servidor”.
Aeroporto de Claudio
Talvez o caso mais conhecido acerca de possíveis investigações contra Aécio, o aeroporto de Claudio, município do interior mineiro. Conforme denúncia da Folha, em matéria publicada em julho do ano passado, o tucano cometeu ato de improbidade administrativa ao utilizar R$ 14 milhões de recursos públicos para construir um aeroporto, em uma área desapropriada que pertencia ao seu tio-avô.
Também no mês de julho, em artigo enviado para a Folha, Aécio afirmou que, "se algum equívoco houve, certamente eu posso reconhecer e não ter me preocupado em examinar em que estágio o processo de homologação está". "Este é um equívoco e eu quero reconhecer. O MP-MG abriu investigação sobre o caso.
O parlamentar informa que o início dos trabalhos e a ordem das instalações das CPIs na Assembleia ainda serão definidos.
Ataques a Aécio
Questionado sobre a atuação de Aécio durante a campanha presidencial, o deputado Rogério Correia foi taxativo: "Minas derrotou Aécio. Isso diz tudo. Mostrou ao Brasil que onde ele governava não se confia, tanto do ponto de vista moral e ético como administrativo", alfinetou. No primeiro turno da eleição, a presidente Dilma Rousseff (PT) venceu Aécio em Minas por 43% dos votos válidos contra 39% do senador. No segundo turno, a petista também ficou na frente (52,41% a 47,49%). 
"É um senador nota zero", cutuca o deputado, em referência à nota da revista Veja atribuída ao senador (veja aqui). Ao explicar a nota dada ao tucano, a revista disse que o senador foi afetado pela campanha presidencial, que teria provocado seu afastamento das atividades parlamentares (confira aqui). "A pior revista do Brasil dá nota zero ao pior senador", dispara Correia.
Para o deputado, Aécio "se sustentou no antipetismo". "Se não fosse isso, ele teria tomada uma 'balaiada' da Dilma", afirma Correia. Dilma venceu a eleição, em segundo turno, por 51,64% a 48,36%. "Com a vitória de (Fernando) Pimentel, vamos mostrar o que de fato foi governo Aécio em Minas".


quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Será que o governador Fernando Pimentel irá encontrar alguma irregularidade dos governos do PSDB em Minas Gerais?

Comentar a postagem
Francisco Castro Será que o governador Fernando Pimentel irá encontrar alguma irregularidade dos governos do PSDB em Minas Gerais?
Ao tomar posse como novo governador Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT, sinalizou que irá colocar em novos termos a história do famoso 'choque de gestão' vendido pelos tucanos, que governaram o estado nos últimos doze anos, com os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Antonio Anastasia (PSDB-MG).
Pimentel prometeu uma 'auditoria completa' nas contas do Estado. "Não se trata de uma mera auditoria de contas públicas. É algo maior e muito mais importante até. É uma explicitação do ponto de onde estamos partindo, como sociedade, em termos econômicos, sociais, de desenvolvimento e também, claro, das finanças", disse ele.
O novo governador também prometeu tomar, como primeira medida, a criação dos conselhos regionais de governo – uma de suas principais promessas, na campanha, foi a descentralização da gestão.
"A primeira medida será criar os conselhos regionais de governo. Serão conselhos populares em todas as regiões do Estado. Vamos mudar o conceito de governar. Não vamos governar trancados em gabinete, vamos governar ouvindo os mineiros", disse ele. "A interação, a conexão, a convergência e a colaboração não podem ser conceitos que existem em todos os lugares, na prática de todos, menos na prática dos governos. O nosso grande desafio é tirar o governo do isolamento, de uma política antiquada. Temos que abrir a administração, ouvir os mineiros, modernizar a plataforma social chamada governo."
Ele também falou sobre sua equipe, que buscou quadros em vários partidos. "A formação do secretariado obedeceu a um critério que buscou equilibrar representação política e competência técnica e profissional dos companheiros que foram indicados e escolhidos para ser secretários. Eu acho que ficou um secretariado muito equilibrado."
Depois da posse, Pimentel embarcou para Brasília, para acompanhar a posse da presidente Dilma Rousseff.
Do 247

Transmissão da Posse da Presidenta Dilma em seu 2º mandato

Comentar a postagem
O Brasil disse não ao atraso do PSDB, Agora vamos cobrar a continuidade dos avanços sociais depois da expurgação do PSDB do palácio do Planalto em 2002, Acompanhe ao vivo e compartilhe
Encerrada a cerimônia de Posse, assista aos discurso da Presidenta

Reveja a posse do primeiro mandato da Presidenta Dilma CLICANDO AQUI

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Aécio Neves é eleito o pior senador de 2014 em ranking da Veja

Comentar a postagem
Depois de fazer campanha aberta pela eleição do tucano Aécio Neves (PSDB-MG) à presidência, Veja publica ranking que o aponta como o pior senador do Brasil em 2014, com nota zero; para a criação da lista, segundo a revista, "são levadas em conta propostas de ajuste na legislação capazes de contribuir para um país mais moderno e competitivo, segundo a perspectiva de VEJA e da Editora Abril"; dos 20 mais bem colocados no 'Ranking do Progresso', divulgado pela quarta vez consecutiva, sete parlamentares pertencem aos quadros da dupla PSDB/DEM, mesmo número dos governistas PT/PMDB

Minas 247Depois de fazer campanha aberta à eleição de Aécio Neves à Presidência da República, a revista Veja publicou na edição deste fim de semana um ranking que coloca o tucano como o pior senador do Brasil em 2014. Ele foi o único senador a receber pontuação zero no chamado 'Ranking do Progresso', divulgado pela revista pelo quarto ano consecutivo.
Para a formação da lista, de acordo com a publicação, "são levadas em conta propostas de ajuste na legislação capazes de contribuir para um país mais moderno e competitivo, segundo a perspectiva de VEJA e da Editora Abril". A Veja publica um quadro com os "nove eixos considerados fundamentais para isso". Confira abaixo:

A lista de senadores é liderada por Eduardo Amorim, do PSC-SE. Já na de deputados, quem está no topo são dois tucanos: o líder do PSDB na Casa, Antonio Imbassahy (BA), e Marcus Pestana, presidente do PSDB de Minas Gerais. A revista aponta que, no ranking deste ano, há "maior equilíbrio entre parlamentares do governo e da oposição na Câmara Federal". Dos 20 mais bem colocados, sete pertencem aos quadros da dupla PSDB/DEM, mesmo número dos filiados aos partidos aliados ao governo PT/PMDB.
"O que explicaria tal mudança?", pergunta a reportagem de Veja. "É impossível não considerar como determinante do ranking de 2014 o fator 'calendário eleitoral'. Tivemos um longo e árduo ano de campanhas para os pleitos presidencial e legislativo — contaminadas, mais uma vez, por uma sucessão de escândalos que envolveram a classe política e alguns candidatos-protagonistas. Senadores e deputados passaram boa parte de 2014 empenhados em levar aos seus eleitores o resultado do trabalho desenvolvido a partir de 2011. Além disso, muitos congressistas se lançaram na disputa para os executivos federal e estaduais. Isso trouxe pelo menos duas consequências: a) um número pequeno de deliberações no Congresso, se considerarmos como base o período 2011-2013; b) pouco trabalho feito por parlamentares que, em outro momento, teriam maior atuação nos processos decisórios do Legislativo", explica a revista.
Aecio Neves Pior senador do Ano

Leia aqui a íntegra.

domingo, 21 de dezembro de 2014

Choro de perdedor Aécio Neves

Comentar a postagem
Tentar impedir a posse de Dilma (PT) no tapetão parece apenas choro de perdedor


Choro de perdedor Aécio Neves
 O PSDB pediu à Justiça Eleitoral que anule os votos de Dilma Rousseff e entregue a faixa de presidente ao candidato derrotado Aécio Neves. A ação tem 54 páginas e um início espantoso. Afirma que a petista teve uma "pífia vitória nas urnas" e que sua legitimidade é "extremamente tênue", apesar da vantagem de 3,4 milhões de votos. Por dever de ofício, continuei a leitura.
O primeiro argumento tucano é que Dilma abusou do poder político ao convocar cadeias de rádio e TV para se promover. É verdade, mas ela já foi condenada e multada por isso.Os exemplos citados são de março, no Dia da Mulher, e maio, no Dia do Trabalho. A campanha só começou em julho, e depois Marina Silva e o próprio Aécio chegaram a ultrapassar a petista nas pesquisas. Atribuir sua reeleição a dois pronunciamentos no primeiro semestre é uma ofensa ao eleitor, que já foi punido com a overdose de exposição dos três candidatos na propaganda obrigatória.
Algumas páginas adiante, o PSDB afirma que sindicatos apoiaram a candidata do PT. É uma acusação tão ociosa quanto dizer que bancos cerraram fileiras com o tucano.
Como provas, o texto enumera outdoors espalhados por professores mineiros em endereços como a rua 33, em Ituiutaba, e a avenida Pau Furado, em Uberlândia. Se Aécio pensa ter encontrado aí a razão do fracasso em seu próprio Estado, o PT já pode gelar o champanhe para 2018.
A ação ainda enfileira irrelevâncias como a publicação de notícias simpáticas à presidente em um site oficial e o transporte gratuito de eleitores para um comício em Petrolina.
Por fim, o PSDB cita Paulo Roberto Costa, o ex-diretor da Petrobras, para sustentar que Dilma foi bancada por empreiteiras corruptas. Muitas também financiaram Aécio, mas isso é o de menos. Se as denúncias forem confirmadas ao fim do processo, a oposição poderá até defender o impeachment da presidente. Tentar impedir sua posse agora, no tapetão, parece apenas choro de perdedor. - De Bernardo Melo Franco - Colunista da Folha