Google+

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Ficha suja da ‘Companheirada’ de Aécio Neves aparelha governo de Anastasia

Comentar a postagem

O governo Anastasia (PSDB/MG) parece uma colônia penal, tamanha lista de condenados que ocupam cargos do alto escalão, muitos indicados por Aécio Neves.
Vejam um pequeno prontuário:
Mariza Xavier, que tem condenação por improbidade administrativa, à frente da Prefeitura de Ouro Preto, já estava nomeada na Fundação de Arte de Ouro Preto. Segundo reportagem de Alessandra Mello, Estado de Minas, “o governo já criou uma comissão para averiguar todos os nomeados (sic)”.
Oswaldo Borges da Costa, presidente da Codemig, desde os tempos de Aécio, agora é acusado pelo Ministério Público por duas coisas; primeiro, ter “ratificado” uma venda irregular de terreno, da antiga Cia de Distritos Industriais (CDI), venda esta que já estava sendo questionada na justiça desde a década de 90; segundo, ter participado de um negócio com o Banco Rural e mais duas empresas, onde compra e venda sem licitação e com valores atípicos são objeto de investigação pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público. Resumindo: terreno de 15 mil metros, na região do Barreiro, vendido pela CDI por 121 mil reais, foi irregularmente repassado por 600 mil reais ao Banco Rural que, graciosamente, em 2007 o vendeu por 180 mil reais a outra empresa. Tudo isso foi feito com anuência da alta direção da Codemig. Só relembrando: Borges da Costa é um dos donos do jatinho usado pelos Neves “para deslocamentos familiares”. A reportagem foi de Amália Goulart, Hoje em Dia.
Ademir Lucas – (PSDB) Bens bloqueados (improbidade administrativa – Prefeitura de Contagem) – hoje diretor da Companhia de Abastecimento de Minas Gerais (COPASA)
Alexandre da Silveira – (PPS) Superfaturamento e pagamento indevido em obras rodoviárias em Rondônia – hoje é Secretário de Gestão Metropolitana do Governo Anastasia, pelo simples fato de que Aécio queria que seu suplente no PPS (Humberto Souto) assumisse uma vaga.
Edmar Moreira – (PR) O ex-deputado do Castelo – convidado a presidir a Minas Gerais Participações (MGI), foi publicamente “desconvidado” depois de denúncia.
Elmiro Nascimento – (DEM) Improbidade administrativa. Ação Civil Pública para que ele devolva 450 mil reais aos cofres públicos, por ter desviado funcionários de seu gabinete parlamentar para uma empresa privada. Hoje é Secretário de Agricultura.
Humberto Candeias – (PSL) Ex-presidente do Instituto Estadual de Florestas (por sete anos dos dois governos de Aécio Neves). Acusado pela Polícia Civil e Ministério Público de ter liderado um esquema que rendeu 12,5 milhões de Reais, envolvendo uma variedade de crimes: extorsão, fraudes, improbidade etc.
Manoel Costa – (PDT) Titular da Secretaria Extraordinária da Reforma Agricultura e pessoas acusadas de cessão e uso irregular de terras públicas. Valor bloqueado das contas dele e demais acusados: 22 milhões de Reais.
Shelley Carneiro – (PSDB) Ex-secretário adjunto do meio ambiente, gov Aécio. Improbidade administrativa à frente da respectiva secretaria (hoje assessora da CNI).
Tadeu Mendonça – (DEM) Ex-prefeito de Três Pontas, condenado pelo TCU: improbidade administrativa. Ocupa o cargo desde o governo Aécio Neves, para o qual foi convidado a permanecer pelo governador Anastasia (a presidência do Instituto de Metrologia e Qualidade – IPEM). Exonerado, depois de denúncia da imprensa.
Wellington Magalhães – Ex-vereador (PMN) cassado por compra de votos. Nomeado diretor da Administração dos Estádios (ADEMG) e demitido após denúncia.
(Com informações da Assessoria de Comunicação do Bloco Minas sem Censura)

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Desindustrialização e “reprimarização” da economia - Da realidade brasileira à 'Matrix' de Aécio Neves

Comentar a postagem
“Eu venho aqui (...) como companheiro da oposição para dizer que precisamos estar cada vez mais vigilantes contra o processo gravíssimo de desindustrialização da economia brasileira que já nos assusta a todos.”
(Aécio Neves – em ato de I de maio em São Paulo)
“Macaco senta no próprio rabo, para falar do rabo dos outros.”(Ditado popular)
Destacamos em epígrafe trecho da fala do ex-governador e atual senador Aécio Neves (PSDB) numa das comemorações do I Maio de 2010, em São Paulo. O tema da desindustrialização é sério e perpassou vários discursos, dos vários partidos e candidatos nas eleições de 2010, pelo Brasil afora. Menos o de Aécio, quando candidato ao senado. Tivesse ele a ousadia de mencionar o tema naquela época, talvez o balanço, não só da desindustrialização, mas de sua consequência imediata, a reprimarização da economia mineira, expusesse a “ilha da fantasia” que se forjou nas Alterosas, por obra de uma inigualável máquina de propaganda.
Com a palavra, Olavo Machado Júnior
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – FIEMG -   Olavo Machado, comparecendo a evento promovido pela Assembleia Legislativa , foi enfático: suas palavras iriam provocar um “choque de realidade” sobre a economia do estado.

Criticando “os discursos grandiosos” sobre a indústria regional, o insuspeito presidente da FIEMG traça um quadro dramático de Minas. Em termos bem sintéticos e esquemáticos, eis o diagnóstico que ele faz do estado governado por sete anos e três meses, pelo tucano Aécio Neves:
- Nos próximos 20 anos, o Mundo e o Brasil crescem, e Minas não está preparada disputar mercados. Falta investimento em inovação, infraestrutura, logística, em capacitação e formação profissional, ausência de política estadual de crédito etc, que geram perda de competitividade e consolidam nossa dependência da exportação de commodities (minério e produtos agrícolas).

- Das 120 mil empresas industriais do estado, 62 mil “não geram emprego algum na indústria”; 30 mil possuem “de 1 a 4 empregos”; 22 mil tem até 29 empregos formais; em suas palavras “mais de 90% desse universo imenso de empresas não apresentam produtividade, escala e inovação em processos e produtos para operar e concorrer globalmente”. E ressalta que os indicadores da economia brasileira demonstram a ampliação exponencial do consumo de massa, o que exigiria “um efetivo e consistente processo de desenvolvimento econômico e social”, para que Minas disputasse parcela desse mercado emergente.

- A produtividade da “nossa indústria” está 5% abaixo da média brasileira e 20% da paulista; e é inferior à média nacional em 69 setores, sendo que em 25 destes, essa menor produtividade ainda manifesta “comportamento de queda” nos últimos 10 anos. O Valor da Transformação Industrial – VTI – mineiro é 20% inferior à média nacional e 40% menor na relação com São Paulo. As gigantes estatais mineiras (CEMIG, COPASA, CODEMIG) fizeram compras “mínimas ou insignificantes” de fornecedores mineiros. A carga tributária estadual é “excessiva e concentrada”.

Enfim, as propostas da FIEMG para a superação desse quadro poderiam ter sido adotadas há oito anos, impactando a condição atual da competitividade da economia regional: readequação tributária, formação e capacitação profissional, política creditícia, incentivos estaduais e municipais diversos etc. Sua excelência, o senador Aécio Neves, ainda que não seja, de fato, um economista (na verdade é apenas bacharel) tinha e tem conhecimento desses números.

Sabe ele muito bem, portanto, o que significa desindustrialização. Ao falar desse fenômeno brasileiro, que é ameaça real, deveria mencionar a condição de “vanguarda” do estado por ele governado, no citado processo.
Da desindustrialização à reprimarização da economia mineira
A revista Mercado Comum , nº 216, traz “Os números da economia mundial, brasileira e mineira” de forma minuciosa, ampla, com análises qualificadas e opiniões de lideranças empresariais e políticas. Sem prejuízo dos justos destaques daquilo que é de responsabilidade federal e até mesmo mundial, como no caso dos artifícios cambiais da China, a revista apresenta uma unanimidade: Minas está aquém de si mesma, do Brasil e do mundo.

Analisando informações disponibilizadas por órgãos federais, pesquisas realizadas pela Fundação João Pinheiro -FJP- (do governo mineiro), pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional de Minas Gerais -CEDEPLAR-UFMG- e fontes exclusivas do meio empresarial, a citada publicação consolida o “choque de realidade” proposto Olavo Machado anteriormente.

O incomum conceito da “reprimarização” ganha significado agora: Minas apresenta uma disparidade enorme e crescente, quando se compara nossa pauta exportações e ali decresce o peso de produtos com valor agregado, na relação com os produtos primários (minério e agrícolas). Ou seja, a desindustrialização mineira tem como resultante a chamada “reprimarização”.

Mesmo o crescimento do PIB em 2010 (10,9%), festejado como prova do dinamismo da economia regional, tem explicações simples e diretas: a demanda por minério de ferro pela China. Não fosse esse fator exógeno, nada poderia ser motivo de tanta alegria.

Olavo Machado, agora em entrevista à referida edição da “Mercado Comum” responde pergunta que trata desse crescimento atípico: “Sempre me preocupei com avaliações feitas por média, uma vez que não contemplam toda a verdade dos fatos, inclusive suas distorções. Cada vez mais, devemos nos conscientizar de que são a microeconomia e economia local que nos dão a exata dimensão do que ocorre.”

Para o presidente da FIEMG, estados onde a economia é mais intensiva, ou seja, pouco diversificada, é que sofreram mais com a crise. “Este é o caso de Minas, impactado de forma ainda mais forte por duas razões principais: por ter sua indústria mais concentrada em commodities minerais e agrícolas, cuja demanda mundial retraiu-se na fase mais aguda da crise, e que tem participação na formação do PIB estadual maior do que a média brasileira (32% contra 28%)”.

Enfim, esta é a realidade mineira: se a ameaça de desindustrialização no Brasil é grande, regionalmente já se configura o fenômeno da reprimarização, como consequência de nosso processo específico da desindustrialização.

Portanto, se Aécio Neves está preocupado com um eventual fenômeno nacional, poderia ele levar ao Senado o debate, sob a ótica do estado governado pelas suas mãos, por mais de sete anos. Deveria ele também explicar a mágica da “Minas virtual”, que propagandeou um “déficit zero” nas contas do governo (equilíbrio entre receita e despesa), excluindo a incômoda “Dívida Pública Total” do estado: R$ 67.812.919.776,51 em 31/12/2010. Ou seja, um “papagaio” de 68 bilhões que, no calote de informações tucano, são excluídos dos balanços políticos de seu governo e de seu sucessor.

Os partidos que hoje compõem o bloco Minas Sem Censura já tem registrado nos anais da Assembleia Legislativa, ao longo dos últimos oito anos, esse quadro dramático. Atualmente, a força da realidade é tão grande, que nem o controle dos Neves sobre certas instituições do estado consegue segurar a verdade.

Como no filme “Matrix” (dos irmãos Wachowisk) os tucanos mineiros impuseram uma imagem virtual, por sobre a realidade mineira. Parafraseando Morpheus, o líder da resistência dos humanos contra as máquinas na citada trilogia, depois do tal choque de gestão e do déficit zero propagandeado por Aécio e sua turma, convidamos a todos e todas: “Bem vindos ao deserto do real”.
Fonte: Assessoria de Comunicação do Bloco Minas sem Censura

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Má notícia para Aécio Neves: Para PGR, fuga do bafômetro não impede punição de motorista alcoolizado

Comentar a postagem
bafômetro decisão procuradoria geral da republica jurisprudencia Aecio Neves
 Ouça o Rádio

Os motoristas alcoolizados devem ser punidos pela Justiça mesmo que se recusem a fazer o teste do bafômetro ou exame de sangue, segundo a Procuradoria-Geral da República (PRG).

O órgão defende que a prova de embriaguez seja feita por meio de perícia, mas se isso não for possível o exame clínico do Instituto Médico-Legal (IML) e a prova testemunhal são suficientes.

A posição da PRG consta de parecer encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que está analisando o caso de um motorista de Brasília flagrado bêbado ao volante. O julgamento do processo deve determinar como a Justiça examinará controvérsias semelhantes sobre o uso do bafômetro em todo o país.

O motorista brasiliense se envolveu em um acidente de carro em abril de 2008. No local não havia o aparelho do bafômetro e, por isso, ele foi encaminhado ao IML para fazer exame clínico – avaliação de sinais de euforia, alteração da coordenação motora, percepção de fala arrastada e alteração da memória. O exame atestou o estado de embriaguez.

Inconformado, o motorista entrou com uma ação na Justiça pedindo o trancamento da ação penal. Sua defesa alegou que a Lei Seca, editada meses depois, determinava que ele só poderia ser considerado alcoolizado se tivesse seis decigramas de álcool por litro de sangue e que isso não ficou provado. O pedido foi aceito pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios e a ação foi trancada. Diante disso, o Ministério Público recorreu ao STJ.

O caso é exemplo da controvérsia que se instalou no país desde a edição da Lei Seca. Isso porque o motorista não é obrigado a produzir provas contra si por meio de exame do bafômetro ou de sangue, mas o Estado não pode deixar de punir os infratores. A PGR defende a segunda tese, alegando que o bafômetro e o exame de sangue não devem ser as únicas provas levadas em consideração para atestar a embriaguez.

De acordo com o subprocurador-geral da República Carlos Vasconcelos, a interpretação feita por alguns juristas de que só há crime se ficar comprovado que há seis decigramas de álcool por litro de sangue “é literalmente um escárnio em relação ao dever do Estado de proteger os cidadãos e disciplinar o trânsito”. Ele acredita que os motoristas embriagados usam essa tese para se recusar a fazer o teste do bafômetro e obter êxito no trancamento de ações penais. (Da Agência Brasil e do MPF)

terça-feira, 17 de maio de 2011

Poderoso. Aécio Neves se desloca em jatinho de R$ 23,8 milhões

Comentar a postagem
O senador Aécio Neves (PSDB-MG) utiliza em seus deslocamentos um jatinho cujo valor é estimado em US$ 15 milhões (ou R$ 23,8 milhões) e tem autonomia para o percurso Rio-Nova York, por exemplo, com apenas uma escala de reabastecimento. Trata-se de um modelo BAe-125-800B, fabricado pela British Aerospace. Aécio afirma que o jato pertence a uma empresa de táxi aéreo da família do seu proprietário.
O jato foi de Gilberto de Andrade Faria (daí o prefixo PT-GAF), ex-dono do Banco Bandeirantes, padrasto de Aécio por 25 anos e falecido há 2.
O Banco Bandeirantes adquiriu o Banorte, enfrentou turbulências e em 1998 foi absorvido pela portuguesa Caixa Geral de Depósitos.
O senador tucano Aécio Neves garante que utiliza o jatinho BAe 125-800B apenas eventualmente, e sem ter de pagar nada.
No mercado, é de US$ 6 mil preço médio a hora de vôo do jatinho utilizado por Aécio no circuito Belo Horizonte, Brasília e Rio de Janeiro.
(Do Cláudio Humberto) Hoje em Dia

Vídeo ‘proibido’ do PIG Globo sobre Lula

Comentar a postagem
O Video acima mostra uma retrospectiva HONESTA dos 8 anos do governo Lula, com imagens pinçadas do próprio noticiário da TV Globo.
Disseram que esta retrospectiva especial sobre os 8 anos do governo do Presidente Lula iria ao ar na Globo, no início de 2011. Nunca foi até hoje.
A retrospectiva pinça as notícias importantes de fato, que causaram impacto na vida nacional, que merecem ser lembradas à luz da história. O resultado é que as notícias positivas dominam com sobra.
Se pegarmos o noticiário da TV Globo nos 8 anos do governo Lula, há apenas uns 10% destas notícias positivas (as realmente muito importantes, conforme a retrospectiva mostra) e 90% de notícias negativas, com muito lixo, “testes de hipóteses”, factóides, assuntos de pouca importância dominando a pauta.
Os 8 anos de noticiário foram o inverso do que foi de fato o governo Lula, e quem diz é povo, quando 87% consideraram o presidente como bom ou ótimo, e apenas 4% acharam ruim ou péssimo.
Se a Globo quisesse fazer um noticiário honesto, ela faria. E com o próprio material que tem.
Fonte:BLOG Os Amigos Do Brasil

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Adolescente é baleada por militares em Belo Horizonte (MG) por causa de roupas sujas

Comentar a postagem
A confusão teria começado quando dois policiais reviraram uma sacola de roupas para lavar que a vizinha da vítima teria repassado. Quando a mãe ameaçou chamar a imprensa (O programa balanço geral), os policiais espalharam as roupas pelo chão e se inritaram e começaram a atiraram na filha da doméstica. A menina se recupera dos ferimentos. A polícia investiga o caso e promete punir responsáveis.
"ELa disse que eles vão invadindo a casa da gente se dizer nada"
disse também que os policiais são DESPREPARADOS.


 Fonte:Portal R7
Isso é resultado da política neoliberal do PSDB de Aecio neves e Anastasia que não prepara os policiais e nem paga salários digos ,e tão pouco investe em aperfeiçoamento.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Banco da família de Aécio Neves, denunciado por furto de R$ 114 milhões dos correntistas

Comentar a postagem
Aero Aecio jato do senador Aecio neves
“Já em relação à aeronave… , informo que ela pertence à empresa de táxi aéreo da família do empresário Gilberto de Andrade Faria, ex-dono do Banco Bandeirantes, marido da mãe do senador por cerca de 25 anos e falecido há dois anos. A aeronave é utilizada eventualmente, sem custos, por familiares. Pode-se observar na cauda da aeronave as iniciais do senhor Gilberto.”
Luiz Neto (assessor de Imprensa do Senador Aécio Neves), sobre o jatinho usado por Aécio Neves.

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou à justiça 21 gerentes do Banco Bandeirantes, acusados de furtarem dinheiro da conta de correntistas, através de débitos indevidos de “juros” e “diversos” nas contas correntes de clientes.
Segundo o MPF:
- Com anuência do Conselho de Gestão das agências do Bandeirantes, no fim de cada mês, os gerentes selecionavam contas correntes de maior movimentação financeira, bem como aquelas cuja movimentação não era atentamente acompanhada pelos titulares, efetuando manualmente os débitos.
- O esquema teve início em setembro de 1994 e só terminou dois anos depois, quando um ex-gerente denunciou publicamente.
- o furto na conta dos clientes chegou a mais de 114 milhões de reais.
- Os relatórios de fiscalização da Inspetoria do Banco Central constituem “amplo conjunto probatório, que não deixa margem a quaisquer dúvidas acerca do ilícito praticado…”.
- Os laudos periciais também identificaram, um a um, os gerentes e diretores operacionais das agências responsáveis pelos lançamentos.
Os diretores – Gilberto de Andrade Faria (falecido padrasto de Aécio Neves), Geraldo Machado, Ricardo Xavier Bartels e Marco Antônio Machado de Brito – já tiveram uma primeira condenação em 2008 movida pelo MPF em Uberlândia. Mas recorreram da sentença, e o recurso ainda não foi julgado.
Em tempo: Antes de questionar se padrasto é parente, o assessor de imprensa do senador, em recente nota (reproduzida no início deste texto), já esclareceu: os donos do jatinho usado por Aécio Neves, da família do finado banqueiro Gilberto de Andrade Faria, trata o senador como um membro da família. (com informações do MPF/MG)
Fonte:Blog Os Amigos do Brasil 
Tucano Aécio pode ter a solução para correntistas de banco falido 
O Banco Bandeirantes, cujo proprietário era o banqueiro Gilberto Andrade de Farias, padrasto do senador tucano Aécio Neves por 25 anos, foi denunciado por furto de R$ 114 milhões na conta-corrente de correntistas.
O jatinho prefixo PT-GAF, emprestado a Aécio Neves na condição de familiar, tem origem na fortuna do ex-banqueiro.
Por que o senador Aécio Neves (PSDB/MG), em vez de continuar voando no jatinho emprestado, não sugere a seus compadres da família, a venda do jatinho para ressarcir o dinheiro furtado da conta dos correntistas (através de juros e tarifas inventadas, segundo o Ministério Público)?

domingo, 8 de maio de 2011

Robôs de Aécio Neves no Twitter

Comentar a postagem
Nesse Blog foi publicado postagens de Aécio contra a livre comunicação nas redes sociais e na Internet através dos seguintes posts:
Agora outra manobra para ludibriar as redes sociais e dessa vez a vítima foi o Twitter.
O pessoal do Aécio usa vários robôs no twitter, um grupo deles é interessante. Formado por quatro robôs que postam ao mesmo tempo:
Vejam nas imagens abaixo:
Spam Aecio neves Robo no Twitter
Spam Senador e Militantes do  Aecio neves Robo no Twitter
Spam puxa-saco do senador Aecio neves PSDB MG Robô no Twitter

Spam Aecio neves PSDB MG Robo no Twitter manipulação redes sociais
Há outros, um simula ser de esquerda e tem uma imagem do Che

Imagina na época de eleição a máquina que eles colocarão no twitter. Estes devem ser apenas para testar.

Vai ter fake de todo tipo: mulher, aposentado, estudante, negro, etc.

Créditos:Usuario Orkut João Carlos

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Procuradoria Geral de Justiça recebe denúncia sobre improbidade administrativa contra Aecio

Comentar a postagem
Em encontro oficial com o procurador-geral de Justiça do Estado de Minas Gerais, Alceu José Torres Marques, nessa quinta-feira, 5, os líderes do bloco “Minas sem Censura”, deputado Rogério Correia (PT), e da Minoria, deputado Antônio Júlio (PMDB), acompanhados dos deputados Sávio Sousa Cruz (PMDB) e Paulo Lamac (PT), formalizaram denúncia de improbidade administrativa à Procuradoria Geral de Justiça de MG, referente ao caso da Rádio-Arco Iris (Jovem Pan em Minas Gerais), pertencente à família da presidente do SERVAS, senhora Andreia Neves e seu irmão, senador Aécio Neves (PSDB).
Na oportunidade, os deputados expuseram todo o escândalo envolvendo a Rádio Arco Iris, que se iniciou após divulgado pela imprensa que a Land Rouver dirigida pelo senador Aécio Neves, ao ser parada em blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro, não pertencia ao tucano, e sim à Rádio. Mesmo com a carteira vencida e se negando a fazer o teste do bafômetro, o senador e seu veículo foram liberados
Ao apurar a estranha situação, o bloco “Minas sem Censura” e a própria imprensa descobriam que a rádio pertencia a Aécio, à sua irmã Andreia Neves e à mãe Inês. Outros seis veículos de luxo também foram declarados em nome da empresa de comunicação da família Neves.
Considerados estranhos os fatos, o bloco de oposição continuou a investigar a rádio Arco-Iris e descobriu, como já noticiado, que a empresa da família Neves recebeu somente em 2010 cerca de R$ 210 mil de publicidade dos cofres públicos mineiros, o que fundamenta improbidade administrativa. O bloco quer informações também sobre o valor total de publicidade com a Arco-Iris durante todo o período do governo Aécio/Anastasia (2003/2011) e nas outras duas empresas de comunicação em nome da presidente do SERVAS: a rádio São João Del Rei S/A e Editora Gazeta de São João Del Rei Ltda.
Fundamentos
A lei de improbidade administrativa (Lei 8.429) define quais são os atos de improbidade administrativa, dividindo-se em três tipos: os que importam em enriquecimento ilícito, os que causam prejuízo ao erário e os que, embora não necessariamente causem enriquecimento ilícito nem causem prejuízo ao erário, atentem contra os princípios da administração pública. Os últimos, são aqueles que violam os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade e lealdade às instituições.
No caso concreto da Rádio Arco-Íris, empresa de propriedade da família Neves há pelo menos 15 anos, constata-se, e o próprio governo admite, que houveram repasses financeiros do Estado àquela empresa, seja através de empresas estatais, seja através da administração direta estadual, a título de pagamento por publicidade.
É de conhecimento público e geral, que a Sra. Andrea Neves da Cunha exerceu, durante todo o mandato de seu irmão, Aécio Neves, a função de Coordenadora do Núcleo Gestor de Comunicação Social, responsável pela elaboração da política de comunicação não só da subsecretaria de Comunicação Social bem como de todas as demais secretarias, autarquias, empresas públicas e fundações estaduais.
O pagamento de publicidade à empresa de propriedade da família Neves, com o inegável conhecimento de sua administradora, Sra. Andrea Neves, põe dos dois lados da relação comercial a mesma pessoa : quem determina o quanto, quando e como vai ser pago é a mesma pessoa que presta o serviço e que recebe o pagamento. Tal relação não seria promíscua e improba caso se tratasse de uma relação comercial entre particulares. Mas trata-se de recursos públicos pagos a uma empresa particular de propriedade do gestor daqueles recursos.
Quanto ao Senador Aécio Neves, responsável maior pela gestão dos recursos do Estado de Minas Gerais nos últimos oito anos e recém integrado como sócio da empresa em questão, outra não pode ser a conclusão de que também houve a prática de atos de improbidade administrativa. Além de autorizar o pagamento a empresa de propriedade de sua família, o que atenta contra o princípio da moralidade pública, utiliza-se dos bens adquiridos por esta empresa, conforme confessa a própria assessoria do ex-governador, ao admitir que o Sr. Aécio Neves há muito faz uso dos veículos de propriedade da rádio para seus deslocamentos no estado do Rio de Janeiro.
O Bloco “Minas sem Censura” requereu instauração de processo administrativo, averiguação dos fatos apontados e a propositura de uma Ação Cível Pública, responsabilizando os representados.
Autarquias e fundações
Outra representação do bloco “Minas sem Censura” ao procurador, requer apuração sobre a situação dos indicados pelo Governo de Minas para direção de autarquias e fundações públicas do Estado. Para serem nomeados, os indicados precisam ser sabatinados e terem seus nomes aprovados em plenário na ALMG. No mês de janeiro, foram publicados no Diário Oficial, atos de “designação” dos indicados. Eles já estão no exercício pleno de seus cargos sem serem aprovados pelo Poder Legislativo, como prever a Constituição Estadual.

O procurador-geral Alceu José Torres Marques determinou a apuração dos fatos apresentados nas representações, prometendo respostas aos questionamentos do Bloco.

Anexo: Representações.doc
Fonte:Bloco Minas sem Censura

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Aécio censurou jornal que criticava o seu governo quando era Governador

Comentar a postagem
 Notícia Publicada em Agosto de 2008 pelo jornal Hora do POVO:

"O “Novo Jornal” teve sua página de internet tirada do ar por imposição da Promotoria do Estado de Minas Gerais em conjunto com a Polícia Militar. O jornal eletrônico é um dos poucos órgãos de imprensa que fazia um jornalismo independente no Estado de Minas Gerais, e que criticava o governo tucano de Aécio Neves.

A censura foi imposta no dia 14 de agosto. Ao acessar o site, os leitores encontravam os seguintes dizeres: “Ministério Público do Estado de Minas Gerais. Esta página foi suspensa por medida cautelar judicial e o conteúdo do site é objeto de apuração por indícios de prática de crimes. Promotoria Estadual de Combate aos Crimes Ciberné-ticos”.

A alegação da Promotoria para a censura foi a de que o site publicava matérias contrárias ao governador tucano.
“Desde 2007, o site publicava matérias atentatórias à honra de autoridades públicas federais e estaduais. As matérias publicadas incluíam ataques ao procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares Junior, e principalmente ao governador Aécio Neves (PSDB)”, diz a Promotoria.

Além de fechar o órgão, que é dirigido pelo jornalista Marco Aurélio Flores Carone, a Polícia Militar ainda cumpriu mandados de busca e apreensão no escritório do site.

Por causa da sua posição crítica, o governo tucano utilizou de pretextos para perseguir o jornal, como o de não ter identificação pelo responsável pelas notícias veiculadas. Além disso, o jornal passou a ser acusado de diversos crimes, sem que fossem especificados quais.

Carone se disse assustado em ver novamente este tipo de ação no Brasil. “Sempre fizemos denúncias e elas não são ligadas apenas ao Poder Público e ao governo do estado de Minas Gerais. Quando foi tirado do ar, estávamos com uma matéria na manchete que falava sobre o ministro Gilmar Mendes”
Fonte:http://www.horadopovo.com.br/2008/agosto/2697-29-08-08/P3/pag3e.htm
Mais censuras de Tucanos
Mais censuras de Aécio Neves
José Serra (PSDB-SP) persegue e maltrata  jornalistas
Geraldo Alckmin(PSDB-SP) Demitiu delegado Blogueiro 
Beto Richa (PSDB-PR) Persegue Jornalista Blogueiro 

domingo, 1 de maio de 2011

Aécio Neves: suspeita de ocultação de patrimônio

Comentar a postagem
Aecio devassa
Para encontrar o Senador Aécio vão ao Rio
CLIQUE AQUI para encontrá-lo .
No controverso episódio da multa do Senador Aécio, no Rio de Janeiro, descortinaram-se claras evidências de ocultação de patrimônio, ainda não divulgadas.
O senador declarou à Justiça Eleitoral um patrimônio de cerca de R$600.000,00 onde não consta qualquer automóvel. De abril a dezembro de 2010, o polêmico senador não tinha qualquer rendimento de conhecimento público. Apesar disto, conseguiu, em dezembro de 2010, adquirir da própria mãe, cotas da rádio que leva o sugestivo nome de Arco Íris. E sua mãe, por sua vez, adquiriu tais cotas da irmã de Aécio (Andréa Neves) em novembro de 2010.

Estranha rádio!
Embora de propriedade da primeira irmã, plenipotenciária definidora da verbas publicitárias oficiais, bem como de empresas controladas pelo Estado, a Arco Íris vem recebendo parte desses recursos. Pois, pelo menos a CEMIG vem nela anunciando. Além disto, o Deputado João Leite (PSDB) em nota oficial reconhece e adverte que a rádio recebe verbas publicitárias.

O Bloco Minas Sem Censura entrou com requerimento para ter acesso a essas verbas, mas ainda não obteve resposta. Quem sabe o Dep. Marcus Pestana, Presidente Estadual do PSDB que, em sua posse, afirmou que “nada ficaria sem resposta”  
possa ajudar o acesso a tais informações?

Estranha frota!
Além da Land Rover TDV8 Vogue, de valor aproximado de R$340.000,00, a frota da rádio inclui outra Land Rover Discovery TD5, uma Toyota Fields, uma Toyota Hilux SWRSRV 4x4, um MMC L200 Sport 4x4 GLS, um Audi A6, um Fiat Strada Adventure, um microônibus Fiat Ducatto, um micro-ônibus Mercedes Benz 312, um uno Mille Fire, um Gol 1000 e uma moto Honda CG150 Titã.

Difícil encontrar nexo entre as atividades de uma rádio de atuação no segmento de música jovem, com a frota de veículos de luxo, que pela tabela FIPE valem aproximadamente R$750.000,00. Isso numa rádio de capital social de R$200.000,00.

Estranhas multas!
Embora a rádio Arco Íris tenha sede na região metropolitana de Belo Horizonte, as infrações de trânsito de seus veículos ocorrem sempre na capital do Rio de Janeiro, Rio Bonito e Búzios.

Estranhos hábitos!
Além desses veículos, o controverso senador utiliza um jato para transporte pessoal que custa R$24.000.000,00 e, de vez em quando, circula de Rolls Royce, ambos de “propriedade “ de um parente (Oswaldo Borges da Costa), por ele nomeado para a presidência da CODEMIG (mesma empresa que “pilotou” a construção da Cidade Administrativa).

Fonte: Assessoria de Comunicação do Bloco Minas sem Censura
Portal Vermelho.org 

Como encontrar o Senador Aecio Neves

Comentar a postagem
psdb partido do Senador Dirigindo bebadoConforme elencado na Constituição Federal os senadores deverão atender e representar os interesses dos Estados no Congresso Nacional,porém parece que o Senador Aécio Neves(PSDB-MG) ficou um tanto inacessível à população mineiro morando no luxuoso bairro do Leblon no Rio de janeiro.
Ele foi eleito senador pelo estado de Minas Gerais em 2010,mas ele atualmente mora no Rio de Janeiro(mais de 500 KM de Belo Horizonte MG),então diante desse obstáculo faremos uma manual de como encontrar o senador(que representa Minas,mas mora em outro estado):
Vejam no mapa ou Cliquem AQUI: e ao chegar no Rio só procurar os principais points de balada do Rio Clicando AQUI que o encontrará

Exibir mapa ampliado
Fonte:Google MAPS
GOOGLE(Busca pelas baladas carioca)